quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Lendas e Motores - Alfa Romeo 177


A Alfa Romeo regressou à Formula 1 em parceria com a Sauber... no GtdrivingclubPT vamos relembrar o carro que marcou o último regresso dos italianos ao Grande Circo...

Embora muitas pessoas não tenham ouvido falar disto, o Alfa Romeo 177 é um dos carros mais importantes da longa história da Alfa Romeo.

O 177 participou de apenas quatro corridas sem uma vitória ou mesmo um resultado significativo, mas sinalizou o retorno de Alfa Romeo ao Campeonato Mundial de Formula 1 com um verdadeiro projeto totalmente italiano que englobava o carro, o chassi, o motor e claro, o piloto.


A Alfa Romeo retirou-se da Formula 1 em 1951, depois da fábrica milanesa ganhar o Campeonato do Mundo com Nino Farina em 1950 e com Juan Manuel Fangio em 1951 utilizando o Alfa Romeo 158/9 Alfettas.

A tentação de retornar à Fórmula 1 com um carro construído inteiramente pela Alfa Romeo foi muito forte para a gestão milanesa. Durante 1970, a Alfa Romeo voltou aos circuitos da Formula 1, mas apenas como fornecedor de motores para a McLaren e March. Em 1976, a Alfa Romeo forneceu motores para Brabham e, em 1977, Ettore Massacesi, gerente geral, deu a ordem à Autodelta para desenvolver um novo carro de F1. Autodelta era o departamento de corrida de Alfa Romeo e sua nova oficina estava situada em Settimo Milanese, uma pequena cidade perto de Milão. O gerente técnico para o desenvolvimento do novo projeto Alfa Romeo foi Carlo Chiti.


O novo carro projectado por Chiti para a Alfa, utilizava um motor de doze cilindros boxer, utilizado pela Brabham em 1976. Este motor, chamado Tipo 115-12, na sua última versão foi capaz de produzir 520 cv às 12000 rpm. O chassi usava um monocoque de alumínio com o motor montado em uma configuração "semi-stressed" (o motor faz parte da estrutura do chassi).


A suspensão dianteira foi feita de dois braços de tamanho desigual, e um braço de equilíbrio conectado a grupos verticais de amortecedor foi combinado com molas helicoidais progressivas dentro do corpo. A suspensão traseira também usou os wishbones superiores e inferiores, com uma configuração muito semelhante à frente. As barras anti-rolo ajustáveis ​​foram usadas na frente e na retaguarda.

O carro usava quatro travões de disco ventilados, com pinças de freio de pistão duplo Lockheed e pastilhas ferodo. Os discos dianteiros foram montados nas rodas e a parte traseira montada no interior do compartimento perto do diferencial.


As rodas do Alfa Romeo 177 foram Speed-line em magnésio com a medida à frente de 10"x13" e os traseiros eram 17"x13". O pneu dianteiro tinha a medida 9.25/23/13" e a traseira 15.0/28.0/ x13".

O peso era de apenas 600 kg. O chassi tinha uma distância entre eixos de 2740 mm, Faixa frontal ampla de 1660 mm, e trilha traseira de 1610 mm. Dois tanques de combustível foram montados em posição lateral com a capacidade de 200 litros.

Quando foi projetado, o 177 era incontestavelmente um projecto avançado. Infelizmente, o único chassi construído, o número de série 177-001, não estava pronto até Maio de 1978 e, por vários motivos, não se conseguiu estrear até a temporada de 1979. Como podem se recordar, na mesma época, Colin Chapman apresentou o efeito Solo na Lotus, possivelmente os melhores carros de Grande Prémio já projetados. Isso mudou completamente a engenharia dos carros de Fórmula 1 e o Alfa Romeo 177 tornou-se praticamente obsoleto antes da sua estréia, explicando o porque do 177 não ter causado nenhum impacto significativo.


Apesar de ser superado pelo novo Lotus, o primeiro carro, totalmente novo da Alfa, desde 1938, serviria para garantir o retorno da Alfa aos Grandes Premios. O desenvolvimento continuou e o 177 teve sua estréia em 30 de maio de 1978, quando iniciou o seu teste no Balocco, a pista de teste da Alfa Romeo, com Vittorio Brambilla ao volante. Neste primeiro teste, o carro ainda não estava pintado e usava os novos pneus Pirelli.


Estes foram alterados para pneus Goodyear em Agosto com mais testes em Paul Ricard com Vittorio Brambilla e Niki Lauda. Esperando que o carro se pudesse estrear em Monza a 10 de Setembro, a Autodelta descobriu que os resultados eram negativos e a estreia foi adiada. Em Monza, Brambilla estava dirigindo para Surtees. Durante a corrida, Brambilla e seu TS20 estiveram envolvidos no acidente que tirou a vida de Ronnie Peterson, e os ferimentos de Brambilla significaram que o piloto de teste da Alfa não conseguiu correr por quase um ano. Durante a temporada de inverno, o 177 continuou o seu desenvolvimento com Giorgio Francia, e mais tarde com o jovem italiano Bruno Giacomelli, tendo ambos subido da Fórmula 2 e da Fórmula 3.



















Finalmente, o carro foi inscrito no Grande Prémio Belga em Zolder em 13 de Maio de 1979. O 177 com Giacomelli no volante fez a sua melhor volta em 1´23´15. Infelizmente, no dia da corrida durante a 21ª volta, o Shadow de Elio de Angelis embateu na traseira do Alfa Romeo 177 e ditando o abandono do carro.


Cerca de seis semanas depois, em 1 de Julho de 1979, o AR 177 foi inscrito no Grande Premio de França com o Giacomelli ao volante. Aqui, o Alfa Romeo 177 teve problemas no motor durante os treinos e conseguiu o 17º lugar na qualificação. Depois de uma corrida decepcionante, o 177 terminou na mesma posição que tinha começado.

Algum tempo depois, o Alfa Romeo 177, com Brambilla ao volante, teve alguns testes particulares no circuito de Hockenheim com resultados encorajadores; no entanto, o 177 não esteve presente nos treinos oficiais.


No dia 9 de setembro de 1979, o 177 foi inscrito no GP da Itália em Monza, e foi conduzido por Brambilla. Agora, 42 anos, Brambilla estava reiniciando sua carreira na mesma pista onde, um ano antes, ele esteve gravemente ferido.

Durante o fim de semana, os fãs italianos deram ao Alfa Romeo e aos dois pilotos, Vittorio e Bruno uma recepção inesquecível. O Alfa Romeo 177 foi 22º nos treinos e terminou a corrida no 12º lugar. A Autodelta também entrou com o novo 179/001 para Giacomelli. O AR179 foi o 18º nos treinos, mas não terminou o evento.

Uma semana depois, o Alfa Romeo 177 fez a sua última corrida no Grande Premio de Imola, em uma prova que não contava para o campeonato, dedicada à memória de Dino Ferrari. Pela primeira vez em anos, Enzo Ferrari esteve presente durante os treinos.


Durante os treinos, Bruno e Vittorio revezaram-se com os 177, mas para a corrida o carro foi conduzido por Vittorio. Os 177 começaram a partir do 6º lugar e terminaram em 9º, novamente uma volta atrás do vencedor. Em um estranho momento de destino, após quarenta voltas, o Alfa Romeo 177 foi novamente atingido pelo Shadow Ford de Elio De Angelis.
Esta foi a última corrida para o Alfa Romeo 177/001, que terminou a sua carreira em Imola.

O 177 deu lugar a uma série mais bem sucedida de carros All-Alfa F1 que permaneceram competitivos até 1985.

Esperamos que a nova época de Formula 1, seja de uma Alfa Romeo competitiva pela mãos da Ferrari e da Sauber, dignificando a historia da marca italiana. 


Fonte :

www.Velocetoday.com e www.robertlittle.us.

quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

GTdrivingclubPT fecha portas



O clube termina de imediato a sua actividade, acabou não tenho mais paciência para isto.

Terminou o campeonato e não abro sala para a fun race Ferrari Challenge.